quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Defenestrando Obsessões II



Era meio-dia de agosto, enquanto bordava com as amigas, sentiu que alguém chegava a sua porta. Não precisou olhar para saber quem era. " Estava gordo, o cabelo tinha começado a cair e já precisava de óculos para ver de perto", disse-me. "Mas era ele, porra, era ele". Assustou-se porque sabia que ele a estava vendo tão decaída como ela o via, e não acreditava que tivesse dentro tanto amor quanto ela para se conformar. (...) Bayardo San Román deu um passo à frente (...)

- Bem, disse, aqui estou.

Levava uma mala de roupa e outra mala igual com quase duas mil cartas que ela lhe escrevera [sem quartel durante 17 anos]. Estavam ordenadas por suas datas, em pacotes amarrados com fitas coloridas, e todas sem abrir.



(Gabriel García Marquez in Crônica de uma Morte Anunciada).


C.

2 comentários:

ticiana disse...

Qual das duas malas deveria ter sido esquecida em Paris?

Carmen Cordoba disse...

Esse trecho do livro crônica de uma morte anunciada é a minha obsessão, queria ter escrito